terça-feira, 26 de janeiro de 2010

 


Boletim número 1 
do Fórum Social ABC 
Estância Solidária 2010









O Fórun Social ABC Estância Solidária, pensado para o período entre 22 e 31 de janeiro, já está em plena execução e o primeiro fim de semana foi de vivências profundas e empolgantes par tod@s @s participantes...

Nesta comemoração / homenagem aos 10 anos da iniciativa original, alguns grupos e coletivos do ABC paulista, região metropolitana de São Paulo, juntaram suas ideias e ideais e organizaram uma programação diversificada de atividades que discutem as necessidades e as possibilidades sociais contemporâneas. Um pouco diferente dos formatos convencionais, as ações locais privilegiam reflexões práticas, repletas de ludicidade e interatividade nos temas que compõem as expressões e significações de uma digna Cidadania. Sem grandes nomes envolvidos, sem grandes estruturas de apoio, sem grandes divulgações, toda a dinâmica do evento é produzida e apreciada pelo "indivíduo comum" que deseja experimentar o "outro mundo possível"...




Iniciamos a intensa jornada com um almoço gratuito na Casa da Lagartixa Preta Malagueña Salerosa, em Santo André, na sexta dia 22 às 11 horas. O espaço é gestionado pelo Ativismo ABC, um coletivo que acredita na autonomia e na liberdade como princípios básicos para o desenvolvimento humano e para uma vida mais sadia. Organizam ali videoteca e biblioteca comunitárias, horta agroecológica, estante de dádivas, grupos de estudos, debates, oficinas e festas. O almoço já é realizado há tempos e consiste na coleta de alimentos (frutas, verduras, legumes) de uma feira semanal que se instala na mesma rua. Tudo o que é descartado pelo consumidor e pelo comerciante acaba se transformando em material que no interior da casa assume ares de fartura e requinte. A proposta é que os presentes juntos preparem a refeição, a degustem e depois façam a limpeza do local. Tudo regado a muita discussão libertária e solidária. Outras informações na página www.ativismoabc.org.

Ainda na sexta nos encontramos no Paço Municipal de Santo André para retomar a Bicicletada ABC. Cerca de 50 ciclistas ali estavam para repensar a urbanização, sua mobilidade, seu lazer, sua qualidade. A partir das 20 horas saímos percorrendo várias ruas do centro da cidade, com gritos tipo "menos carro, mais bicicleta". Nosso movimento de "massa crítica" se encontrará mensal neste ano, sempre na penúltima sexta-feira de cada mês. A próxima saída será em Mauá (Praça 22 de Novembro, ao lado da estação de trem).

No sábado seguimos para Ribeirão Pires onde aconteceu na sede da ARCA, uma associação de artistas (agora também Ponto de Cultura), o encontro Virada Encenada que em sua segunda edição privilegiou as Artes Cênicas. Além de ser um momento para apresentações de trabalhos de Teatro, Poesia, Dança, também foi uma oportunidade para que jovens produtores culturais da região se conhecessem, debatessem sobre os problemas deste setor profissional, sua relevância dentro da sociedade e outros assuntos. Durante toda a noite, intercalando as cenas, rolaram projeções em vídeo do que estava sendo registrado e de outras anteriores (Cineclube CIDADÃOS ARTISTAS). Na manhã de domingo, antes da despedida, arrumação do espaço, café da manhã coletivo e mais algumas reflexões...

Logo após (já domingo) nos dirigimos para a Vila de Paranapiacaba. Nosso Festival de Brincadeiras Populares não ocorreu nas ruas por conta da insistente chuva, característica permanente da serra do mar, e foi rapidamente adaptado para o Antigo Mercado Municipal. As crianças, poucas, que apareceram estavam animadíssima e participaram ativamente da apresentação da Orquestra Infantil Raiz da Serra, projeto local que existe há 3 anos, da contação de histórias e do escravo de jó, da batata quente, do bummm!, do telefone sem fio, entre outras tantas lembranças vivas que intercambiamos, adultos e pequenos. Uma tarde para ratificar que a brincadeira - a integração interpessoal - não tem hora, é benéfica para o corpo e espírito humano e também é um direito cidadão pouco respeitado...

E isso foi só o começo. A semana segue com inúmeras outras ações sociais. Se puder, apareça e dê sua contribuição. Somente assim é possível o outro mundo tão almejado.

Saudações solidárias

Carlos Rogerio
www.oficinativa.blogspot.com

Um comentário:

coletivo disse...

E no meio daquela cidade, que agora é mais cinza e mais acimentada, tinha uma gentarada louca, expressando-se, sem pressa, no meio da praça. Os passantes já muito esquisitos e bem deformados pelo que o mundo virou, olhavam primeiramente estranhando, depois, PERCEBIAM... são GENTE! eles dançam, tocam, se ABRAÇAM, que LINDO. E aí se sentavam nas escadinhas da praça para olhar aquela gentarada da ARCA fazendo arte na PRAÇA.
Para min, foi assim, EU por TODOS e TODOS por UM.
Wal Volk, festeira e educadora do Vilarejo Histórico de Paranapiacaba, idealizadora da orquestra infantil e da FOPP.